50 Exemplos De Licenças Poéticas

Las licenças poéticas São recursos que são utilizados na poesia para adequar um verso a uma certa extensão, ou seja, a um número de sílabas exigido pela métrica.

Os preceitos do metro não costumam ser aplicados em poemas contemporâneos, mas estão presentes em composições de épocas anteriores, como o Renascimento ou o Barroco, e são um conjunto de regras fixas que determinam como devem ser:

Em determinadas composições poéticas, existem determinados tipos de estrofes, cujos versos devem ter um determinado número de sílabas e, para isso, podem ser utilizadas diferentes licenças poéticas.

Como as sílabas são contadas na poesia?

Quando um poema é escrito ou analisado, as sílabas são contadas considerando como é a palavra final do verso:

  • Verso terminando em uma palavra afiada. Se a última palavra for aguda (a sílaba tônica é a última), conta-se mais uma sílaba. Por exemplo: “Eu ouvi um música ” tem sete sílabas (es-cu-ché-u-na-can-ción), mas quando termina em palavra aguda, forma-se um verso de oito sílabas (de oito sílabas).
  • Verso terminando em uma palavra grave. Se a última palavra for grave (a sílaba tônica é a penúltima), as sílabas não são adicionadas ou subtraídas. Por exemplo: “Aqui você ouve o vento ” tem nove sílabas (a-quí-se-es-cu-cha-el-vien-to) e termina em uma palavra grave, portanto, forma-se um verso eneasyllable (de nove sílabas).
  • Verso terminando em uma palavra esdrújula. Se a última palavra for esdrújula (a sílaba tônica é a penúltima), uma sílaba é subtraída. Por exemplo: “Essas palavras são música ” tem nove sílabas (e-sas-pa-la-bras-son-mú-si-ca) e termina em uma palavra esdrújula, portanto, forma-se um verso octossílabo (de oito sílabas).

Tipos de licenças poéticas

As licenças poéticas são opcionais, pois são aplicadas apenas se for necessário adicionar ou subtrair sílabas em um verso.

Existem quatro tipos diferentes de licenças poéticas:

Para ter em conta: O ditongo é a união de duas vogais na mesma sílaba e pode ser formado por uma vogal aberta (a, e, o) e uma vogal fechada átona (i, u) ou por duas vogais fechadas diferentes. Por exemplo: pau sa, mue bom, finterface do usuário . Por outro lado, o hiato é a pronúncia de duas vogais em sílabas diferentes e pode ser formado por uma vogal átona aberta (a, e, o) e uma vogal tônica fechada (i, u), duas vogais iguais ou duas vogais abertas . Por exemplo: eusim faça, chii tá, cae .

Exemplos de licenças poéticas

Exemplos de sinalefa

  1. “Aindaestá em Até os dois com lua cheia”. O E e o A são unidos para formar um verso de onze sílabas (no-chea -rri-ba-ambos-com-lu-na-lle-na).
  2. “Quatorze versos dizem o quee e s soneto”. O E e o E juntam-se para formar um verso de onze sílabas (ca-tor-ce-ver-sos-di-cen-qusim s-so-ne-to).
  3. “Um passeio solitárioo e Entre as pessoas”. O O e o E são unidos para formar um verso de onze sílabas (un-an-dar-so-li-ta-rioe n-tre-la-gen-te).
  4. “De e essas plantas um A lúcidos consagrados”. O E com o E e o A com o A juntam-se para formar um verso de onze sílabas (dsim s-tas-plan-tas-aA l-ci-des-con-sa-gra-das).
  5. “Vinestá em parar em tanto infortúnio”. O E e o A são unidos para formar um verso de onze sílabas (vi-nea -to-rar-in-so-ta-des-ven-tu-ra).
  6. “Ele disse, sinoae expressão do diferente”. O A e o E juntam-se para formar um verso de onze sílabas (a-ti-be-llae x-pressão-do-distinto-a).
  7. “Verdadeiroestá em olante dos céus”. O E e o A são unidos para formar um verso de oito sílabas (Ver-deA -tlan-te-dos-céus).
  8. “Todae São pessoas corajosas.” O A e E são unidos para formar um verso de oito sílabas (To-dae s-gen-te-va-le-ro-sa).
  9. “Eterna fama ha sem gado”. O A e o A são unidos para formar um verso de oito sílabas (E-ter-na-fa-maha n-ga-na-do).
  10. “SI a lgún grande tem morto”. O I se junta ao A e o E ao A para formar um verso de oito sílabas (Azarado -arma-grande-dquatro -fa-lle-ci-do).
Pode interessar-lhe:  Exemplos De Narrador Equisciente

Exemplos de dialefo

  1. “Paraísoo e está mudando”. Não há sinalefa entre o O e o E e resta um verso de oito sílabas (el-cie-loe s-é-cam-pele-quente).
  2. “Com poucoo e Entusiasmo, ele entrou”. Não há sinalefa entre o O e o E e resta um verso de dez sílabas, pois conta-se mais uma porque “entrou” é uma palavra aguda (com-po-coe n-tu-sias-mo-entró).
  3. “Eu escrevieu você nós versos destá em morte”. Não há sinalefa entre I e U ou entre E e A e há um verso de onze sílabas, pois conta-se mais uma porque “amor” é uma palavra aguda (es-cri-bnovocê -nós-vemos-você-deuma -mor).
  4. “Éae l paraíso e na Terra”. Não há sinalefa entre A e E e entre O e E e resta um verso de dez sílabas (erumae l-não-í-soe n-la-tie-rra).
  5. “Umae ele esperavaae o trem”. Não há synalepha entre A e E e entre A e E e um verso de oito sílabas permanece (Anumae s-pe-ra-bumae l-trem).
  6. “O sol ée e discórdiapara e entre as montanhas”. Não há synalepha entre o E e o E e entre o O e o E e um verso de doze sílabas permanece (el-sol-see s-com-dia partir dee n-tre-las-mon-ta-ñas).
  7. “A princesaaa Parece”. Não há sinalefa entre A e A e resta um verso de oito sílabas (la-prin-ce-sumauma -tchau-re-o quê).
  8. “O vento sussurrouoh o algo”. Não há sinalefa entre O e A e resta um verso de oito sílabas (el-vien-to-mur-mu-ra partir deuma eu vou).
  9. “O músicoae começar”. Não há sinalefa entre A e E e resta um verso de sete sílabas (la-mú-si-cumae m-pie-za).
  10. “O soldadoo o esquecido”. Não há sinalefa entre o O e o O e há um verso de oito sílabas, pois conta-se uma a mais porque termina em palavra aguda (el-sol-da-doo l-vi-di).

Exemplos de sinérese

  1. “Que as pessoas têm ouvi Faz”. As vogais do hiato produzido entre O e I se juntam para formar um verso de oito sílabas (que-la-gen-te-lo-ha-ouvi -Faz).
  2. “Ela olhou para a rochalol na grama”. As vogais do hiato produzido entre I e O se juntam para formar um verso de doze sílabas (e-lla-mi-ra-ba-el-ro-clol -na grama).
  3. “O lugar gerado atélol ”. As vogais do hiato produzido entre I e O se juntam para formar um verso de dez sílabas (el-lu-gar-le-ge-ne-ra-ba-has-tlol ).
  4. “A história da irmãouvi n / D”. As vogais do hiato produzido entre O e I se juntam para formar um verso de nove sílabas (la-his-to-ria-de-la-he-rouvi -este).
  5. Seu olhar foi para o oe isto”. As vogais do hiato produzido entre O e E se juntam para formar um verso de treze sílabas (su-mi-ra-da-se-di-ri-gió-ha-cia-el-oe s-te).
  6. “foi rsea foi uma miragem.” As vogais do hiato produzido entre E e A se juntam para formar um verso de onze sílabas (e-ra-rea loe-ra-un-es-pe-jis-mo).
  7. “Um alto poe ma”. As vogais do hiato produzidas entre O e E juntam-se para formar um verso de sete sílabas (un-e-le-va-do-poe -ma).
  8. “éter felicidadeea ”. As vogais do hiato produzidas entre E e A se juntam para formar um verso de oito sílabas (la-fe-li-ci-dad-e-té-rea ).
  9. “O marea de tristeza”. As vogais do hiato produzidas entre E e A se juntam para formar um verso de sete sílabas (la-ma-rea -de-tris-te-za).
  10. “EUsim r é como ver pensamentos.” As vogais do hiato produzido entre E e E são unidas para formar um verso de nove sílabas (lsim r-é-como-ver-o-pensamento).
Pode interessar-lhe:  Exemplos De Madrigal

Exemplos de tremas

  1. “Na cidade velhaFaz ”. O U e o A são separados em duas sílabas diferentes para formar um verso de oito sílabas (en-la-ciu-dad-an-ti-gvocêuma ).
  2. “Ficou no recue Rev”. O U e o E são separados em duas sílabas diferentes para formar um verso de oito sílabas (que-dó-en-el-re-cvocêe r-fazer).
  3. “Ele voltou para o seu pue sangue nativo”. O U e o E são separados para formar um verso de onze sílabas, pois acrescenta-se mais uma por terminar em palavra aguda (re-gre-só-a-su-pvocêe -blo-na-tal).
  4. “A areia branca como o nou seja ir”. O I e o E são separados para formar um verso de doze sílabas (la-a-re-na-blanca-ca-co-mo-la-neue -ve).
  5. “Dia fue rza de sua bravura”. O U e o E são separados para formar um verso de dez sílabas (la-fvocêe r-za-de-su-va-len-tí-a).
  6. “O ásFaz vida da folha”. O U e o A são separados para formar um verso de nove sílabas (la-svocêuma -vida-das-folhas).
  7. “A elaoi quase façanhas”. O O e o I são separados para formar um verso de oito sílabas (las-he-roeu -cas-ha-za-ñas).
  8. “S fue um treu nfo”. O U e o E e o I e o U são separados para formar um verso de sete sílabas (yfvocêe -un-treuvocê nfo).
  9. “No rinterface do usuário nas romanas”. O U e o I são separados para formar um verso de oito sílabas (en-las-rvocêeu -us-ro-tem-nos).
  10. “Eu esperava que o rnão n / D”. O E e o I são separados para formar um verso de oito sílabas (es-pe-ra-ba-la-reeu -este).

Referências

  • Darebný, J. e Vázquez Touriňo, D. (2016). E-manual de Métrica española. Disponível em: Muni
  • Real Academia Espanhola e Associação de Academias de Língua Espanhola. (2010). Ortografia da língua espanhola. espada