10 Exemplos De Cometas

E cometa É um objeto espacial constituído principalmente por rochas, gelo e poeira, que se movem em diferentes tipos de órbitas (elípticas, parabólicas ou hiperbólicas) em torno do Sol e que, apesar do caráter esporádico ou prolongado de tais trajetórias, fazem parte dos asteróides , planetas e seus satélites, do nosso Sistema Solar. Por exemplo: Cometa Halley, Shoemaker-Levy 9, 3D/Branco.

Algo característico dos cometas é sua cola visível uma espécie de rastro que constitui os gases que, quando o cometa se aproxima do sol, são produzidos pelo aquecimento de sua superfície e pela sublimação de seus materiais.

Acredita-se que os cometas venham principalmente de dois aglomerados de objetos espaciais : a “Nuvem de Oort”, localizada entre 50.000 e 100.000 Unidades Astronômicas de distância do Sol, ou o “Cinturão de Kuiper”, além da órbita do planeta Netuno. Ambos são acumulações residuais da formação do Sistema Solar.

Os cometas são observados pela humanidade desde os tempos antigos, que os consideravam mensageiros ou sinais de mudança ou advento. Segundo algumas teorias, o famoso Belen estrela que teria guiado os Três Reis Magos até o nascimento do menino Jesus Cristo não seria outro senão o Cometa Halley.

  • Pode servir para você: Galáxia

tipos de pipas

Existem três maneiras principais de classificar os cometas: de acordo com sua órbita, de acordo com seu tamanho e de acordo com sua idade.

  • Cometas de acordo com sua órbita. Distinguem-se dois tipos de cometas segundo a trajectória espacial que traçam: os de período longo, que vêm de mais longe e nascem na Nuvem de Oort; e as de curto período, que vêm do Cinturão de Kuiper.
  • Pipas de acordo com seu tamanho. Considerando o tamanho desses objetos celestes, eles podem ser cometas anões (0 a 1,5 km), cometas pequenos (1,5 a 3 km), cometas médios (3 a 6 km), cometas grandes (6 a 10 km), pipas gigantes ( 10 a 50km) ou pipas Goliath (mais de 50km).
  • Pipas de acordo com a sua idade. Ao analisar as curvas de luz detectadas nos cometas, os astrônomos podem calcular o número de órbitas que eles fizeram ao redor do sol e classificá-los em: cometas bebês (< 5), cometas jovens (< 30), cometas médios (< 70), cometas velhos ( 100).
Pode interessar-lhe:  10 Exemplos De Contribuições De Isaac Newton

nomenclatura de cometas

Os astrônomos projetaram um nomenclatura específica para cometas, usando as letras P (Periódico) para aqueles com órbita recorrente e C ou D para os não recorrentes. Esta distinção baseia-se na frequência de aparecimento do cometa: se a sua órbita for inferior a 200 anos terrestres, são considerados periódicos.

Exemplos de Cometas

Cometa de Halley - exemplos de cometas

  1. Cometa Halley. Provavelmente o cometa mais famoso que existe, tem um período orbital de cerca de 79 anos e é um dos cometas mais brilhantes e conhecidos vindos da Nuvem de Oort. É, de fato, o único cometa de curto período visível a olho nu da Terra. Foi observada desde a antiguidade e o seu aparecimento marcou o início ou o fim de eras, o advento de salvadores ou a queda de impérios, conforme a interpretação particular.
  2. O Grande Cometa de 1577. Oficialmente denominado C/1577 V1, este cometa passou perto da Terra no ano de 1577 e foi visto por muitos astrônomos europeus, como o dinamarquês Tycho Brahe. Este evento o inspirou com as ideias necessárias para concluir que existem objetos voando acima da atmosfera da Terra.
  3. O Grande Cometa de 1811. Este cometa, oficialmente denominado C/1811 F1, pôde ser visto durante 260 dias contínuos e a olho nu, dada a sua natureza espetacular e o seu tamanho de 40 km de diâmetro. Seu período orbital é estimado em 3.065 anos, então não o veremos por essas partes novamente por muito tempo.
  4. 19P/Borrelly. Este é o nome dado a um cometa periódico descoberto por Alphonse Borrelly em 1904 e cujo período orbital é de 6,8 anos. Em 2001 foi visitado pela sonda espacial Deep Space 1, que conseguiu tirar fotografias e numerosos dados científicos valiosos.
  5. O Cometa Coggy. Seu nome oficial é C/1874 H1 e é um cometa não periódico observado pela primeira vez em 1874 pelo astrônomo francês Jérôme Eugène Coggia. Este cometa voltou a assombrar a Terra em 1877 e 1882, ano em que se fragmentou e se desintegrou no espaço.
  6. Cometa Hale-Bopp. Também conhecido como O Grande Cometa de 1997 ou C/1995 O1, é provavelmente um dos cometas mais observados do século 20 e um dos mais brilhantes já vistos. Foi descoberto simultaneamente por Alan Hale e Thomas Bopp em 1995 e causou um verdadeiro rebuliço mundial, quando foi alegado que uma espaçonave alienígena o estava seguindo de perto. Seguidores da religião OVNI do Portão do Céu nos EUA cometeram um famoso suicídio em massa.
  7. 67P/ Churyumov-Gerasimenko. Descoberto em 1969 pelo cientista ucraniano Klim Ivanovich Churyumov graças aos estudos da cientista Svetlana Gerasimenko, tem um período orbital de 6,6 anos e foi, em março de 2004, destino da missão espacial europeia Rosetta. Esta sonda espacial conseguiu chegar perto o suficiente do corpo irregular do cometa para tirar fotos dele e medir seu campo magnético. Os resultados foram fundamentais para desmantelar teorias previamente aceitas sobre a origem da água na Terra.
  8. 3D/ Branco. Localizada em 1772 e 1805, somente em 1826 o astrônomo alemão Wilhelm von Biela conseguiu calcular sua órbita. Embora sua passagem pela órbita terrestre tenha sido chocante para muitas populações que viram nela algum anúncio apocalíptico, em 1845 foi observada fragmentada em duas e em 1877, quando deveria passar de novo, não aconteceu. Em seu lugar, uma chuva de meteoros de quase 6 horas de duração foi percebida na constelação de Andrômeda. Presume-se que tenha se desintegrado.
  9. Sapateiro-Levy 9. Este cometa, descoberto em 1993 e formalmente chamado de D/1993 F2, foi muito importante em 1994, quando correu em direção a Júpiter e caiu dentro dele. O evento despertou profundo interesse na mídia e na astronomia mundial, pois foi o primeiro impacto observável de um corpo cósmico na atmosfera de um planeta.
  10. 9P/ Templo 1. Cometa periódico descoberto em 1867 pelo astrônomo alemão Wilhelm Tempel, cuja trajetória orbital foi modificada pela gravidade de Júpiter em 1881, alterando sua taxa natural de aparecimento e levando muitos observadores do cosmos a presumir sua extinção. No entanto, por volta da década de 1960 foi redescoberto e em 2005 estudado pela sonda espacial Deep Impact da NASA, que disparou um projétil contra o cometa para estudar seu núcleo. Não é um cometa brilhante, sua superfície é de 14 x 4 quilômetros e sua rotação é de 2 dias terrestres.